Tag Archives: autor

sobre a guerra espiritual

23 ago

centro de são carlos, 6:00 am. foto por felipe bianchi.

foto: centro de são carlos as 6:00 am. por felipe bianchi.

as vezes me soa tentadora a ideia de escrever sobre minhas impressões e opiniões. seja da vida cotidiana, de acontecimentos grandiosos, de polêmicas ou do senso comum. e escrever sobre essas coisas me parece, além de tentador, um exercício instigante para a mente e – por que não? – para a alma.

bom, apenas como formalidade introdutória e inaugural, farei um pequeno relato sobre o que pretendo postar aqui nesse blog.

quem me conhece provavelmente já está familiarizado com os assuntos que gosto e com a inclinação das minhas opiniões e pontos de vista. para quem não me conhece, prazer. meu nome é Felipe Bianchi, estudo Comunicação Social (Jornalismo) na Universidade Federal de Ouro Preto. sou de São Carlos/SP, mas me mudei para Minas Gerais há um ano, justamente por decidir cursar Jornalismo na UFOP. morei um semestre em Ouro Preto e agora estou no segundo semestre de vivência em Mariana, com duas pessoas incríveis e que muito me agrada ter a oportunidade de dividir meu lar: a Tábata Romero Garcia e o Enrico Mencarelli.

foi justamente em Mariana que aprofundei-me nos estudos e no envolvimento com as ideias anarquistas. me interessei cedo pelas questões sociais, influenciado pela vivência prematura de diversas cenas culturais e contra-culturais, principalmente o punk (cujo universo está presente na minha vida até hoje). após estudar e compreender o básico, me assumi socialista de pensamento enraizado no marxismo. nos últimos dois anos, porém, me aproximei do anarquismo e me defino hoje como marxista heterodoxo. mas isso é assunto para posts futuros, creio eu.

além disso, foi tambem um colega do Jornalismo da UFOP que na verdade me fez despertar o interesse de escrever em um blog. já registro aqui meu agradecimentos ao Simião Castro (aka Timbor), que com as conversas que tínhamos sobre o blog em que ele escreve (linkado no nome dele, logo ali atrás) e sobre diversos assuntos sobre a vida no geral, me deu ânimos para tentar essa experiência. inclusive, acho cabível publicar aqui que o Timbor é um cara muito religioso, católico praticante. Mas dos que eu acabo admirando pela mente aberta e pela busca honesta e consciente pela “verdade” na vida dele. É um cara com quem gosto de conversar, por exemplo, sobre religião. E isso me remete a uma célebre citação a ser atribuída ao grande Vladmir Herzog, cujo conhecimento me chegou por meio de outro Vlad, o palestrino fervoroso e militante vermelho Vladimir Galli, um amigo que fiz nas arquibancadas do Palestra Itália.  na ocasião, ao escutar de um colega que “gosto não se discute”, após sairem do cinema, “Vlado” responde categoricamente que “pois é, este é o eterno lema dos ignorantes”. ponto final.

bom, sei que acabei escrevendo demais nesse post inaugural, mas senti como uma espécie de obrigação falar um pouco dos meus anseios com esse  blog. e já deixo de sobreaviso que falarei, sem pudores, sobre minhas vontades e meus sonhos, o que significa não abrir mão nunca de tecer críticas vorazes e ser crítico com qualquer coisa que aparecer na minha frente.

afinal, essa acidez que eu transbordo não vem dos cartões-postais das cidades, das inspirações em super-heróis carimbados pelos contadores da “História Oficial”, nem dos discursos do Governo. essa acidez é do evento-maior que a sociedade nos brinda à meia-luz e taças de vinho-sangue. tratamos aqui da guerra espiritual.

God damn it, an entire generation pumping gas, waiting tables; slaves with white collars. Advertising has us chasing cars and clothes, working jobs we hate so we can buy shit we don’t need. We’re the middle children of history, man. No purpose or place. We have no Great War. No Great Depression. Our Great War’s a spiritual war… our Great Depression is our lives. We’ve all been raised on television to believe that one day we’d all be millionaires, and movie gods, and rock stars. But we won’t. And we’re slowly learning that fact. And we’re very, very pissed off. (Tyler Durden, em “Fight Club”)

Anúncios